Sergio Vieira e Da Redação | 14/03/2018, 14h13 – ATUALIZADO EM 14/03/2018, 16h30

O senador Ronaldo Caiado, autor do projeto, disse que o país ainda é negligente no enfrentamento ao diabetes; lembrou que o projeto também incumbe ao poder público implementar políticas de prevenção e diagnóstico precoce da doença e que a detecção tempestiva ajudará os trabalhadores
Pedro França/Agência Senado›

Saiba mais

  •  Ampliação da política de prevenção ao diabetes é aprovada na CAS
  •  Empregador poderá ser obrigado a pagar exame de diabetes do trabalhador

00:00

  •  Trabalhador poderá levar filho ao médico sem desconto no salário
  •  CAS aprova descentralização do ressarcimento dos planos privados aos cofres públicos

Proposições legislativas

  • PLS 380/2016

Os empregadores deverão arcar com a realização de exames de rastreamento do diabetes em seus funcionários quando houver recomendação médica nesse sentido. É o que estabelece projeto (PLS 380/2016) aprovado nesta quarta-feira (14) pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

A proposta, do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), pode seguir para a Câmara dos Deputados se não for apresentado recurso para que seja votada pelo Plenário do Senado.

Durante a análise da proposta, Caiado afirmou que o Brasil precisa adotar estratégias mais efetivas de combate ao diabetes. Ele citou um estudo recente da Universidade de São Paulo (USP) segundo o qual cerca de 42% dos óbitos no Brasil apresentam relação com a doença. O diabetes possui caráter epidêmico, em parte por ser assintomático em muitos casos, e também devido ao estilo de vida moderno.

– Aparece como causa mortis o infarto, o AVC, a insuficiência renal, a trombose, mas a causa determinante foi o diabetes crônico. O mesmo se dá para muitos casos de amputações e de cegueira. O Brasil precisa escancarar o enfrentamento ao diabetes, no poder público e também aumentar a conscientização da sociedade quanto ao problema – alertou.

O senador Dalírio Beber (PSDB-SC) apoiou o enfoque da proposta, lembrando que entidades de assistência já estão estabelecendo parcerias com empresas visando detectar a doença. O objetivo é evitar consequências negativas aos empregadores, uma vez que o agravamento da enfermidade agudiza o absenteísmo e pode refletir em quedas de produtividade.

Cidinho Santos (PR-MT) também votou favoravelmente, mas disse acreditar que a obrigatoriedade de arcar com os exames deveria recair exclusivamente sobre o Sistema Único de Saúde (SUS). Para ele, a proposta cria mais um ônus aos empregadores e pode acabar até mesmo estigmatizando quem tem diabetes no mercado de trabalho.

Em resposta a Cidinho Santos, Caiado disse que o país ainda é negligente no enfrentamento ao diabetes. Lembrou que o projeto também incumbe ao poder público implementar políticas de prevenção e diagnóstico precoce da doença e que a detecção tempestiva ajudará os trabalhadores. O agravamento do diabetes, ressaltou ainda o senador, pode levar à incapacitação no mercado de trabalho, conseqüencia que poderá ser freada, como observou, pelo tratamento, pelas mudanças de hábitos alimentares e de estilos de vida sedentários.

O relator, senador Paulo Paim (PT-RS), ressaltou “a amplitude da proposta”, por prever a adoção de estratégias de enfrentamento ao diabetes tanto por parte do poder público quanto do setor privado.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)